Deixe sua avaliação

Desde que se afastou do tênis, Serena Williams se tornou uma investidora prolífica dentro e fora do mundo do esporte, adquirindo participações no clube de futebol feminino Angel City FC e na franquia de golfe Los Angeles Golf Club (LAGC), entre outros.

Agora, a campeã de 23 Grand Slams revelou à CNN que está “super interessada” em adicionar um time da WNBA, a liga profissional de basquete feminino dos Estados Unidos, ao seu portfólio.

“Eu definitivamente estaria (interessada). Com o mercado certo, eu certamente estaria super interessada nisso”, afirmou, reconhecendo o “momento” que o basquete feminino vem tendo após uma temporada bem-sucedida da NCAA, a liga universitária, que quebrou todos os recordes de audiência.

Serena investiu em cerca de 70 startups

O draft da WNBA ocorre nesta segunda-feira (15), e Caitlin Clark tem tudo para ser a primeira escolha — a brasileira Kamilla Cardoso também é bem cotada. E o evento apenas reforça esse interesse.

Antes mesmo de Williams deixar o tênis, sua empresa, a Serena Ventures, já tinha investido em 66 startups, incluindo 16 unicórnios — empresas avaliadas em mais de US$ 1 bilhão.

Preferência por empresas de minorias

Ela também procurou apoiar empreendedores tradicionalmente sub-representados — 78% das startups nas quais a Serena Ventures investiu foram iniciadas por mulheres e pessoas não brancas.

E, enquanto uma investidora experiente, Serena Williams afirma que esportes femininos são “para mim, uma aposta excessivamente segura quando se trata de investimentos”.

Não há (fator de) risco. Esportes femininos são empolgantes, mulheres são empolgantes de assistir. Qual é a diferença? Eu acredito que mais pessoas tenham assistido ao basquete universitário feminino que o masculino. Então, acho que as pessoas estão percebendo que é empolgante de assistir

Serena Williams, empresária e lenda do tênis

Investimentos em nome das filhas

Além de investir em todos esses empreendimentos por si mesma, Serena Williams também botou dinheiro em nome de sua filha de seis anos, Olympia, fazendo dela coproprietária do Angel City FC e do LAGC.

Marido de Serena, Alexis Ohanian até publicou no Twitter que Olympia se tornou a mais jovem proprietária de dois clubes nos esportes profissionais, e que a outra filha do casal, Adira, então ainda não nascida, também era coproprietária do LAGC.

“Foi assim que fui criada quando era jovem”, explicou Williams sobre sua decisão de investir em nome das filhas.

Meu pai nos fez abrir nossas próprias contas bancárias e isso quando éramos super jovens. Obviamente, ele e minha mãe tiveram que assinar junto, mas nós tínhamos US$ 100. Nós tínhamos literalmente cinco anos ou menos, e nós entendemos a importância de propriedade. Então, eu acho que ela (a filha Olympia) vai sempre saber a importância de ser empreendedora, de ser proprietária, e o papel que vai desempenhar. Porque, acredite em mim, ela vai trabalhar nisso assim que puder. Não é de graça. Ela tem que trabalhar por isso. E acho que ela vai abraçar isso

Serena Williams, sobre investir em nome da filha

Acompanhe a CNN Esportes em todas as plataformas

Este conteúdo foi originalmente publicado em Serena Williams no basquete? Ex-tenista quer comprar franquia nos EUA no site CNN Brasil.