Deixe sua avaliação

O ataque sem precedentes do Irã contra Israel no fim de semana aumentou as tensões no Oriente Médio, rico em petróleo, mais uma vez, ameaçando elevar os preços dos combustíveis se o conflito aumentar e interromper o fornecimento global.

O Irã lançou dezenas de mísseis contra Israel no final do sábado em retaliação a um suposto ataque israelense a um complexo diplomático iraniano na Síria em 1º de abril.

Os militares de Israel disseram que “99%” dos mais de 300 projéteis foram interceptados.

Os preços do petróleo subiram na sexta-feira (12) para níveis não vistos desde outubro, na expectativa de uma escalada desse tipo, mas na segunda-feira (15) foram moderados.

O Brent, referência global, estava sendo negociado em queda de 0,9%; os futuros do West Texas Intermediate, referência dos EUA, caíram 0,8% às 9h25 (horário do leste dos EUA), já que os mercados esperam para ver como Israel responderá.

Os membros do gabinete de guerra de Israel travaram um debate acalorado sobre a natureza de sua resposta, com opções militares e diplomáticas sendo consideradas, disseram à CNN duas autoridades israelenses familiarizadas com as deliberações.

O aprofundamento do conflito aumenta “o risco de maior volatilidade nos mercados de petróleo e (fornece) um novo lembrete da importância da segurança do petróleo”, disse a Agência Internacional de Energia, com sede em Paris, que monitora os mercados de petróleo em nome das economias desenvolvidas, em uma nota na segunda-feira.

As tensões entre Israel e Irã aumentaram desde 7 de outubro, quando o grupo militante palestino Hamas lançou um ataque sem precedentes contra Israel, matando mais de 1.200 pessoas.

Esse ataque provocou uma resposta devastadora de Israel — mais de 30.000 pessoas morreram desde que Israel lançou seu contra-ataque em Gaza, a faixa de terra controlada pelo Hamas.

Israel há muito tempo acusa o Irã de se envolver em uma forma de guerra por procuração ao apoiar grupos — incluindo o Hamas — que lançaram ataques em seu litoral. Teerã negou qualquer envolvimento nos ataques de 7 de outubro.

O “ponto de estrangulamento” do Estreito de Ormuz

O ataque do Irã levanta a possibilidade de que o conflito possa interromper o transporte marítimo pelo Estreito de Ormuz, uma via navegável estreita ao largo da fronteira sul do país, através da qual mais de um quarto do comércio marítimo global de petróleo — incluindo petróleo bruto e produtos petrolíferos, como a gasolina — flui todos os dias.

Se o conflito se agravar ainda mais, o Irã tem a capacidade de atacar os navios petroleiros que passam pelo estreito usando drones, mísseis ou submarinos, disse Simone Tagliapietra, membro sênior do think tank Bruegel, com sede em Bruxelas, à CNN.

O pior cenário possível implicaria em um bloqueio total do estreito por Teerã, acrescentou ele, embora a probabilidade de qualquer um desses resultados seja baixa no momento.

“É o ponto de estrangulamento mais importante do mercado global de petróleo”, disse Richard Bronze, cofundador e analista da empresa de dados Energy Aspects, à CNN.

“Qualquer interrupção significativa teria um enorme impacto sobre os suprimentos globais de petróleo e, consequentemente, sobre os preços do petróleo”, acrescentou.

O Irã é um grande produtor e membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo, mas exporta a maior parte de seu petróleo para a China devido às sanções internacionais de longa data.

Ainda assim, uma redução nas exportações de petróleo iraniano teria um impacto “maciço” no mercado global, de acordo com Bronze, pois a China seria forçada a competir com outros países por suprimentos em outros lugares.

O Irã exporta até 1,5 milhão de barris por dia de petróleo bruto, disse Bronze, o que equivale a 1,5% da oferta global de petróleo. O país produziu um total de 3,25 milhões de barris por dia de petróleo bruto em março, segundo dados da AIE.

A interrupção ou o bloqueio do tráfego no Estreito de Ormuz seria um divisor de águas. “É a principal ou única rota para os exportadores de petróleo do Oriente Médio”, incluindo os membros da OPEP Arábia Saudita, Kuwait e Emirados Árabes Unidos, disse Bronze.

Ainda assim, Bronze considera que o “caminho mais provável a partir daqui (é) a redução da escalada, em vez de uma escalada maior”, devido aos apelos abertos dos aliados de Israel para que o país demonstre moderação.

Outra possibilidade é que os Estados Unidos, o aliado mais importante de Israel, retaliem reprimindo novamente as exportações de petróleo do Irã, de acordo com Tagliapietra.

Desde que a invasão em grande escala da Ucrânia pela Rússia em 2022 abalou os mercados de energia em todo o mundo, Washington relaxou a aplicação de suas sanções ao petróleo do Irã para manter estáveis os suprimentos globais — e os preços — do combustível, disse ele.

Uma nova repressão, no entanto, “criaria uma pressão de alta sobre os preços globais” em um momento inoportuno, disse Tagliapietra.

Os EUA estão a poucos meses de uma eleição presidencial em que o histórico do presidente Joe Biden em relação aos preços da gasolina e à inflação em geral será examinado de perto.

Um mercado de petróleo apertado

Apesar da barragem de drones e mísseis do Irã, o conflito teve um impacto relativamente discreto no mercado global de petróleo nesta segunda-feira.

Os comerciantes estavam prevendo um ataque de retaliação por parte do Irã desde o bombardeio de sua embaixada em Damasco, no início de abril, e esperavam um aperto nos suprimentos globais nos próximos meses, disseram analistas à CNN.

Os preços do petróleo já subiram bastante desde que atingiram seu ponto mais baixo no início de fevereiro. O Brent subiu mais de 16% nesse período — fechando acima de US$ 90 por barril no início de abril pela primeira vez desde outubro — enquanto o WTI subiu quase 19%, atingindo US$ 85 por barril.

“A razão pela qual estamos vendo os preços do petróleo um pouco mais baixos hoje é que esses preços já haviam subido na semana passada, na expectativa de um ataque (do Irã)”, disse Bronze, da Energy Aspects.

Um aumento sazonal na demanda, à medida que muitos países se aproximam dos movimentados meses de verão, bem como uma economia norte-americana em ascensão e sinais de melhoria da economia chinesa, proporcionaram um vento a favor dos preços, acrescentou ele, observando que as restrições prolongadas à exportação pela OPEP+ — OPEP mais aliados, incluindo a Rússia — mantiveram os suprimentos globais de petróleo bruto apertados.

Ainda assim, segundo a AIE, espera-se que a produção dos produtores não pertencentes à OPEP+, impulsionada pelos Estados Unidos, Brasil, Guiana e Canadá, chegue perto de atender ao crescimento global da demanda de petróleo neste ano e no próximo.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Entenda como o conflito entre Irã e Israel pode fazer os preços do petróleo dispararem no site CNN Brasil.